bem estar

OMS: Timor-Leste foi um de cinco países que reportou zero casos de Malária em 2018

SAPO TL, 27 de junho de 2019

  • EPA@ Piyal Adhikary

partilhar
Email
×

Por favor verifique os campos assinalados.

Este artigo foi partilhado com sucesso com .

Timor-Leste foi um dos cinco países que em 2018 e pela primeira vez não reportou qualquer caso de malária durante o ano, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os dados foram divulgados no mais recente relatório da E-Iniciativa 2020, iniciada em 2016 e que abrange 21 países em cinco regiões, que reforçaram os seus esforços de eliminar totalmente a malária até 2020.

Além de Timor-Leste, o Irão e a Malásia reportaram pela primeira vez zero casos durante o ano, com a China e o El Salvador a reportarem zero casos pelo segundo ano consecutivo.

“Timor-Leste conseguiu um progresso significativo na redução do peso da malária nos últimos anos e o país está à beira da sua eliminação total”, refere-se no relatório da OMS.

Os dados mostram o impacto do Plano Estratégico Nacional para Eliminação da Malária e das medidas adotadas, que incluem acesso a diagnóstico, ações “robustas de prevenção e monitorização” e colaboração transfronteiriça com a metade indonésia da ilha.

Em 2006, por exemplo, Timor-Leste registou mais de 223 mil casos, valor que caiu para 113 mil casos quatro anos depois, para apenas 36 mil em 2011 e se reduziu para apenas 26 em 2017 e para nenhum no ano passado.

Pedro Alonso, diretor do Programa Global de Malária da OMS, sublinha que os dados mostram o progresso significativo nas estratégias de eliminação da malária, sendo essencial continuar a tomar medidas em pelo menos uma dezena de países.

Transmitida pela picadela de mosquitos, a malária continua a ser uma das principais causas de morte no planeta, com 219 mil casos em 87 países e mais de 400 mil mortes em 2017.

Mais de 60% das vítimas mortais foram crianças com menos de cinco anos, com o maior número de casos a ocorrer na Índia, Nigéria, República Democrática do Congo, Moçambique e Uganda que, em conjunto, representam mais de metade de todos os casos.

Fonte: Agência Lusa

comentários